Notí­cias Voltar


Comércio de shopping deve abrir até 2 mil vagas temporárias em Salvador


 

A maioria das vagas será para trabalhar em lojas de shoppingsRaul Spinassé.

Enquanto a liderança do comércio de rua em Salvador demonstra ceticismo quanto ao aumento das vendas de fim de ano, as lojas de shopping de Salvador devem abrir cerca de duas mil vagas temporárias de trabalho a partir deste mês.

O cálculo é feito pelo escritório local da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce). " Estimamos um aumento de 7% nas vendas do período em relação a 2016", declara Edson Piaggio, coordenador regional da Abrasce, que representa nove grandes shoppings da cidade. Em todo o Brasil, devem ser 73 mil vagas temporárias, segundo avaliação da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Alguns estabelecimentos já estão recebendo currículos. "Vamos contratar 12 vendedores para a loja do Center Lapa e 15 para a do Shopping Piedade", afirma Igor Sá, gerente da South, empresa de comércio de roupas masculinas e femininas, que vai fazer dois processos seletivos a partir do próximo dia 18. A South não exige experiência.

Currículos

Dono da Cambalhota Modas, Humberto Ribeiro Paiva Júnior também vai selecionar pessoas para o período. "Vamos contratar seis vendedoras até o Natal", diz o comerciante, que tem três lojas em diferentes shoppings: Salvador, Paralela e Barra.

Especializada em moda íntima feminina, a Loungerie, com três lojas na capital baiana (shoppings Salvador, Barra e da Bahia), também está se preparando para contratar. "Vamos precisar de duas vendedoras", afirma Taísa Bittencourt, gerente da loja do Salvador Shopping. "Também estamos recebendo currículos", afirma Alan Mendes, gerente da Pé e Pé Confort Calçados do Shopping Piedade.

O Instituto João Carlos Paes Mendonça, ligado à empresa que controla os shoppings Salvador e Salvador Norte, vai contratar 20 jovens para trabalho extra de auditoria nos dois empreendimentos.

"Nesse caso, os candidatos serão escolhidos entre jovens de seis bairros carentes que ficam no entorno dos shoppings", afirma Lorenna Aquino, coordenadora de empregabilidade do instituto.

A entidade forma jovens de 18 a 24 anos de Pernambués, Saramandaia, São Cristóvão e outros bairros e mantém uma base de currículos que repassa a empresas.

Reforma trabalhista

O presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindilojas), Paulo Motta, está bem menos otimista. Ele acha que este ano o esforço no Natal será para não demitir funcionários. "O que pode acontecer é a contratação pontual para eventos como a Black Friday", afirma Motta.

O representante dos lojistas acha que ainda é cedo para que a reforma trabalhista, que entra em vigor em novembro, surta efeito no planejamento de contratações por parte dos empresários.

Até agora, as lojas em geral têm sido discretas quanto ao anúncio de vagas. Nos principais shoppings, quase não se veem anúncios de oportunidades nas vitrines, mas os interessados devem ficar atentos. "As vagas serão oferecidas em cada shopping, nas próprias lojas", avisa Edson Piaggio, da Abrasce, que descarta um esquema centralizado de seleção de pessoal.

Para as funções de promoção de vendas criadas pelos próprios shoppings, não há muita esperança. Normalmente.

 

Jornal A Tarde